Caminhada e corrida – Com que roupa eu vou?

Confira dicas sobre tênis e outros acessórios para caminhar e correr

Caminhar e correr exige poucos equipamentos: um par de tênis, roupas confortáveis e, quem sabe, um relógio. Alguns detalhes, no entanto, são importantes para aumentar o conforto e a segurança nos primeiros passos, garantindo que o iniciante continue firme por muito tempo.

Veja o que é bom considerar na hora de começar a caminhar ou correr regularmente:

Tênis

É o acessório mais importante para quem caminha ou corre. Opções não faltam, para todos os tipos de pés e pisadas. “Um par dura em torno de 500 quilômetros de rodagem, em média. Mas ele não vai durar tanto se for usado diariamente”, orienta o treinador Marcos Paulo Reis.

Antes de comprar o modelo mais bonito ou o mais tecnológico, é importante conhecer o tipo de pisada de quem vai usá-lo rotineiramente. Muitas lojas especializadas em calçados esportivos oferecem o teste da pisada. Um ortopedista ou um fisioterapeuta também podem ajudar no diagnóstico, mas, de um modo geral, existem tênis específicos para os seguintes tipos de pé:

Pé chato (ou plano) – não tem a curvatura normal, ou seja, o peso do corpo se concentra em toda a extensão da planta.

Pé cavo – tem a curvatura é exagerada e, por isso, o peso acaba recaindo no calcanhar e no antepé.

Pé neutro – tem o arco normal, o que garante distribuição balanceada do peso sobre toda a planta.

Cada pisada, uma sentença

A maneira de pisar é outra variável a se levar em conta na hora de escolher o calçado. A pisada pode ser:

Pronada – o apoio da passada é para dentro. Neste caso, os modelos mais indicados são aqueles com reforço na lateral interna, o que garante uma passada equilibrada.

Supinada – a pressão exercida pelo pé é maior do lado de fora. Para evitar lesões e obter maior controle dos movimentos, o tênis deve contar com bom sistema de estabilidade.

Neutra – pés com curvatura normal não têm desvios de pisada. Neste caso o tênis deve ter amortecimento igual em toda a sola.

Caminhada e corrida – Com que roupa eu vou?

Outras dicas úteis

1) O tênis deve ser meio ou um número maior do que o que você calça normalmente. Isso evita com que o atrito provocado com tamanha pressão durante a corrida acabe com suas unhas

2) Cheque o sistema de amortecimento, responsável por absorver o impacto: ele deve ser mais eficiente para quem está acima do peso

3) A porção do calcanhar precisa ser um pouco mais elevada do que a da ponta, para favorecer os movimentos de deslocamento, poupando tornozelos, joelhos e coluna

4) A parte superior do tênis – chamada de cabedal –, que ajuda a dar estabilidade, tem de promover boa ventilação, pois os pés transpiram bastante durante o exercício

Meias

Como os pés transpiram muito, elas funcionam como uma espécie de barreira contra dermatites. “Qualquer tipo é válido, mas o mais recomendado são as de material sintético específico para o exercício, que elimina o suor de maneira eficiente”, diz o técnico da MPR Assessoria Esportiva.

Camiseta

Regata, manga curta ou longa, o modelo é uma escolha individual. Assim como o tênis, essa peça vem passando por grandes avanços tecnológicos, especialmente no que diz respeito ao tecido. Os atuais oferecem evaporação mais eficiente do suor, evitando que a camiseta fique encharcada –diminuindo o atrito com o corpo, o que ajuda a prevenir assaduras.

“No clima quente que predomina na maior parte do Brasil, o ideal é usar roupas leves, bem arejadas, que cubram a menor área corporal possível. Tecidos sintéticos e transpiráveis tiram o suor de sua pele e jogam para a camada de roupa mais próxima da pele ou para a superfície externa, onde a umidade pode evaporar rapidamente. As fibras sintéticas como a poliamida, conhecida popularmente como náilon, são as mais recomendadas”, recomenda Aulus Sellmer, treinador de corrida Assessoria Esportiva 4any1, de São Paulo.

Hoje existem muitas outras novidades à disposição no mercado, como tecidos com proteção contra raios ultravioleta e até roupas antibactérias, que dificultam a proliferação dos microorganismos responsáveis por odores desagradáveis. Ao escolher as peças certas, dá para se manter mais fresco nos dias de calor e mais aquecido nos dias de frio e conseqüentemente melhorar a performance.

“Para descomplicar total, embora mesmo sem tantos predicados, a boa camiseta de algodão também pode dar conta do recado na hora da caminhada e da corrida leve”, diz o treinador Marcos Paulo Reis.

Shorts e calças

Para a prática de caminhada e corrida os shorts geralmente são feitos de tecidos sintéticos, com modelos curtos e largos. Praticantes que estejam acima do peso – grupo mais passível de ter assaduras provocadas pelo atrito entre a parte interna das coxas – podem usar também bermudas de lycra similares às dos ciclistas.

Há quem prefira as calças, especialmente durante o inverno. Além de proteger contra o frio, os modelos feitos para caminhada e corrida, confeccionados com tecidos especiais, podem ainda prevenir distensões e contraturas musculares deflagradas pela diferença entre a temperatura corporal e a do ambiente.
“Se precisar, complete o figurino de frio com luvas e gorros, porque o corpo perde muito calor pelas extremidades”, explica o treinador.

Boné e óculos

São itens opcionais, mas têm sua importância. O boné protege contra o sol (e até contra a chuva) e pode ajudar a conter o suor da testa – aliás, faixas na cabeça (iguais as usadas pelos tenistas) e viseiras são alternativas para afastar esse incômodo.

Se optar por óculos escuros, prefira os modelos apropriados para corrida, pelo design que proporciona maior fixação ao rosto. Eles dão conforto para quem sofre com muita luminosidade (especialmente pessoas de olhos claros), além de proteger os olhos contra insetos, ciscos e poeira.

Relógio e frequencímetro

O iniciante não precisa gastar com um relógio caro e com recursos que não irá utilizar na fase inicial do treinamento. Um modelo simples, com um cronômetro, já está de bom tamanho.

Por outro lado, o frequencímetro – ou monitor cardíaco – é um item interessante. Trata-se de uma cinta transmissora presa ao peito do praticante, com um receptor localizado no interior de um relógio que mostra em tempo real o comportamento dos batimentos cardíacos.

Ele marca a frequência cardíaca e atua como uma espécie de vigilante do corredor. Por meio dele é possível comprar os treinos e saber se a intensidade está correta, afastando os riscos”, explica o treinador da MPR.

Deixe seu Comentário