Pela primeira vez, cientistas conseguem reverter Alzheimer

Dois pacientes tiveram região da memória cerebral aumentada

O Mal de Alzheimer foi revertido pela primeira vez em pacientes que tinham a doença há mais de um ano. A técnica foi criada por pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá. Eles aplicaram pulsos de eletricidade diretamente no cérebro dos pacientes por meio de eletrodos, o que permitiu não só a estagnação da doença, como, em alguns casos, o aumento da área do cérebro associada à memória.

Durante a pesquisa, os cientistas canadenses instalaram os dispositivos nos cérebros de seis pessoas que tinham sido diagnosticadas com o Mal de Alzheimer há pelo menos um ano. Os eletrodos foram alocados perto do fórnix — um conjunto de neurônios responsáveis por carregar sinais elétricos para o hipocampo (onde funciona o centro de memória).

Os eletrodos aplicavam pequenos impulsos elétricos na área. O objetivo era evitar com que o hipocampo cerebral encolhesse — o que ocorre com os portadores de Alzheimer.

Após 12 meses de estimulação, um dos pacientes teve um aumento do hipótalamo de 5% e, outro, de 8%. Segundo os cientistas, essa descoberta pode possibilitar o entendimento sobre como a estimulação funciona no cérebro e, assim, abrir novos caminhos para tratamentos do Mal de Alzheimer.

Técnica inovadora elimina tumores de menino britânico

Nova terapia para combater o câncer também está levando esperanças aos pacientes. Com o uso de laser combinado a um medicamento que reage à luz, ela foi capaz de destruir células cancerígenas e eliminar 10 dos 11 tumores do corpo de um britânico de apenas 10 anos de idade.

Connah Broom, da cidade de Flintshire, no País de Gales, sofre de tipo raro de câncer — neuroblastoma. Ele tinha tumores espalhados pelo corpo quando começou a se tratar em 2007. Ele ainda tem um no abdômen e se submete a sessões de duas horas de tratamento, 4 dias por semana.

(Fonte: Ciência e Sáude – Jornal O Dia)

Deixe seu Comentário